sexta-feira, 30 de novembro de 2018

Adubação com bokashi com dosador no substrato - Laelia sincorana alba

Olá,

Gostaria de trazer algo bem útil no cultivo das orquídeas. Um dosador de bokashi que libera o adubo conforme a rega. Digo que é prático e não há perda do bokashi. Aqui uso um bokashi sem cheiro, pois não consegui usar o que tinha cheiro!

Comprei numa exposição um saco com 50 unidades, nem deu para começar a brincadeira por aqui. Rs.

Saca a tampa, coloca uma colher de café de bokashi, fecha a tampa.

Replantei a Laelia sincorana alba mantendo o cultivo no musgo.

Fui fotografá-la e percebi que uma formiga pequena pode ter polinizado uma flor, pois do nada murchou. Rs. Formiga feliz!



sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Ajuste no cultivo das Cattleyas walkerianas

Olá,

Aqui a percepção está bem aguçada!

O gênero Cattleyas foram as mais recentes aquisições na coleção Brasiliana. São talvez as mais populares e tradicionais entre os colecionadores brasileiros e estrangeiros.

Aprendi na prática e com dicas preciosas de um colega estudioso e autodidata e gostaria de compartilhar com vocês, as fotos abaixo são das walkerianas, mas foram aplicadas às Cattleyas em geral por aqui:

1- Observe se são unifoliadas ou bifoliadas. Folhas largas, um pouco de sombra. Folhas estreitas, mais claridade ainda.
2- Estude os meses de replantio delas devido às raízes novas.
3- Limpe sempre as suas brácteas para observar e prevenir cochonilhas e pulgões.
4- Quando estiver com pseudobulbo novo, faça adubação nas raízes. Evite pulverização para não comprometer a frente nova da planta. Já perdi várias frentes de várias Cattleyas com a adubação por pulverização nesta fase vegetativa.
C. walkeriana bem debilitada e se recuperando com um pouco de substrato miúdo e musgo, bokashi após adubo 20:20:20.

Corte e replantio no substrato miúdo de casca de macadâmia, carvão e peroba picada. Bokashi sem cheiro na adubação.

C. walkeriana adora placa de peroba inclinada até 30 graus.

Frentes novas e completas após adubação 20:20:20.

5- O substrato é escolhido pelo tipo de raiz. Se média ou grossa, o substrato segue o tamanho. Se o substrato estiver bom, evite o replantio sem necessidade.
6- Recentemente ajustei ao substrato, acrescentei o musgo em pequenas proporções nos vasos já consolidados. Não podia replantar devido ao período do ano e percebi que estavam desidratadas apesar da rega diária.
7- Aprendizado com as Cattleyas: precisam de vento para não terem cochonilhas e  precisam de espaço.

Bom cultivo!


sexta-feira, 16 de novembro de 2018

Dito popular: Quem não tem cão caça com gato! - Rebatedor de luz

Oi. Escolhi este tema popular para dizer simplesmente: improvise!

Quase um mês sem luz, sem sol! As orquídeas reduzem a chance de florir, retardam ou aguardam a luminosidade preciosa para o seu metabolismo vegetal.

Área a receber o reflexo da luz. Há necessidade de se chegar a 2000 lux no canto esquerdo da prateleira no fundo da foto.

Assim sendo, um colega me auxiliou a improvisar um rebatedor de luz. Numa conversa entre um café e outro, mencionei a falta de sol devido à árvore do vizinho e dias chuvosos e encobertos. -Por isso não. Rapidamente indicou o local para um rebatedor de luz e mediu o lux em cada ponto desejado, após o teste com o rebatedor instalado.

Desloquei para o muro um protetor solar com camada em alumínio e miolo em isolante térmico que tenho para proteger o painel do carro. Rapidamente improvisamos o tal "rebatedor". Lembro-me de ter comprado numa loja de produtos japoneses com a quantia de quase quinze reais.


Devo ajustar a inclinação dele em cada estação do ano.

Vejam que preciosidade! Quem sabe resolve para o seu orquidário também. Rs.

sexta-feira, 9 de novembro de 2018

Robiquetia cerina

Olá, 

Hoje falaremos da Robiquetia cerina, Malleola merrillii, Robiquetia merrillii ou Saccolabium cerinum.




Podemos chamá-la popularmente de "orquídea-abacaxi" ou "abacaxizinho" devido ao seu cacho floral. Foi a primeira floração aqui. Vejo potencial para aumentar o seu cacho floral com a sua adaptação e novo substrato mais adubação.

Nativa das florestas quentes e úmidas da Nova Guiné e Filipinas, habita altitudes entre 100 e 700 metros.

É uma vandácea com ramos pendentes e longos, folhas elípticas, hastes pendentes com até 10cm de comprimento, muitas pequenas flores que se abrem sucessivamente da haste para o final dele.

Há flores nas cores: amarelo, vermelho e púrpura. Lindas! Duram quase um mês.


Aqui foram bem no vaso cerâmico sem furos com substrato misto no tamanho médio e no vaso cerâmico com furos. Está num local com cerca de 2000 lux.

Dica: diminua a rega no inverno e não a deixe num local com temperaturas baixas. Ela é sensível demais, tanto folhas quanto raízes.

Ao final da sua floração, cortei as extremidades de duas folhas que apresentaram uma espécie de ressecamento, uma por quebra e outra por algum motivo desconhecido e para não deixar o desenvolvimento desta mancha, decidi removê-la. O restante permaneceu intacto. Não deixe de aplicar a canela em pó onde cortou. Evitará os fungos e acelerará a cicatrização do tecido vegetal.

Bom cultivo!

sexta-feira, 2 de novembro de 2018

Ludisia discolor

Olá!

Adivinhe? Orquídea terrestre no supermercado!!! Eba. Foi uma festa!

Quando a vi, tive que olhar de novo e escolher uma Ludisia discolor para levar para a coleção Brasiliana.

Alguns dizem ser de fácil cultivo, aqui já se foram embora quatro. Desde o início do cultivo tenho dificuldades em agradar esta terrestre. Tenho um vizinho que possui um vaso enorme no jardim e o exemplar dele é perfeito com várias hastes florais.






Esta é mais uma tentativa e acredito que está indo bem! A replantei e tutorei a duas hastes florais. Retirei o musgo que havia no substrato anterior e acrescentei um substrato para samambaia que drena bem e vem ensacado. Havia mais três pedaços de rizomas enterrados, sendo que um está saindo da terra.

Vamos lá! Nesta quinta tentativa a manterei dentro de casa, separada das demais que recebem rega diariamente. Escolhi uma janela perto do fogão, assim irá se beneficiar da temperatura do forno e umidade do ambiente.

Devo tratá-la quase como uma suculenta, porém com baixa luminosidade. No inverno/dormência suspender a rega e no final do inverno e início da primavera aumentar a rega sem deixar o substrato molhado o tempo todo. É isso! Não devo fracassar no cultivo dela. Rs.

Acrescentei húmus de minhoca californiana ao substrato. Vejam como a adubação ajudou no desenvolvimento das flores! Uau!
Grande aprendizado em agir na hora. Aplicar o húmus ajudou o desenvolvimento das flores.

Nativa do clima tropical/quente não tolera frio. Nativa da China, Tailândia e Madagascar.


Não desista! Bom cultivo de terrestres. Tente a Ludisia discolor e me conte o que achou.






Destaque do mês - Octomeria linearifolia

Oi! Hoje é uma micro-orquídea ou mini-orquídea que é destaque no Brasiliana: Octomeria linearifolia.


Pouco sei sobre ela. Procurei e não encontrei referências em sites nacionais e internacionais de orquídeas. Não é a Anathallis linearifolia que tem várias flores na sua haste longa. Sei que ambas são nativas do Brasil. Eba!


Este exemplar está plantado numa placa de madeira e dentro de cesto de peroba. Fica debaixo do sombrite numa área com iluminação indireta. Toma vento, chuva, sereno.

Este ano deu uma floração regular e intensa! Acredito que se está no local ideal. Não apresentou pulgões e nenhum tipo de praga como nos demais anos.

Dica: expus ao relento e deixei exposta ao vento.

Uma jóia de orquídea!