sexta-feira, 28 de setembro de 2018

Ervas aromáticas e repelentes naturais

Oi! Após dias de chuva, observei borboletas, lagartas e diversos insetos no jardim.

Replantei alguns vasos com ervas aromáticas que praticamente combatem moscas e mosquitos, mas não são tão eficientes para os demais insetos que atacam o orquidário e o jardim.

Aproveitei a dica de alguns youtubers para deixar cascas de laranjas e limões pelo jardim para afastar os felinos dos vizinhos e os nossos de áreas não desejadas. Rs. Aqui nenhum deles reclamou! Rs.

Encontrei no supermercado um inseticida à base de água com citronela! Apliquei no tempo nublado e gostei do resultado no orquidário. Pouca aplicação foi suficiente para perceber a movimentação dos pernilongos. Apliquei no sombrite e arredores da cobertura fazendo um bloqueio para a entrada dos indesejáveis insetos. Quando a temperatura aumentar, devo aplicar novamente, alternando com o biofertilizante natural/chorume de minhoca californiana. É claro que a duração deles é de cerca de 24 horas, mas melhor que não fazê-la!

Ah, tem também a essência ou óleo de citronela para ser diluída na água e pulverizada no jardim. Proporção de uma colher de café para um litro de água.

No ano passado havia investido num aparelho elétrico com luz azul que atraí insetos e pernilongos. Valeu o investimento, mas não resolve onde tem planta ao ar livre ou muita água. Este equipamento precisa ficar protegido e num local coberto. Sua cobertura é de até 12m2. Vejam os insetos nele, ooh dó!



São atividades preventivas para que as orquídeas não sejam atacadas e devoradas no início da primavera!

Bom cultivo e boa primavera!

sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Keiki ou bebê de orquídeas

Oi! Hoje falaremos a observação de alguns keikis (plural de keiki, palavra que significa bebê no Havaí/EUA).

Dificilmente conseguimos reproduzir a partir da planta adulta fora do laboratório. Daí o interesse dos amadores pelos keikis. É através deles que a reprodução será garantida e seu crescimento é bem mais acelerado que a reprodução no laboratório que terá no mínimo uns 5 anos de desenvolvimento. Porém nem todas as espécies produzem os keikis.

Os keikis surgem quando são estimulados ou quando a planta mãe emite sinais de amadurecimento e/ou declínio no seu desenvolvimento. São importantes porque garantem as mesmas características genéticas de mãe para filhos.

Veja a lista de ocorrência de keikis na coleção Brasiliana: Polystachia neobenthamia, Restrepia brachypus, Pleurothallis cardiostola, Acianthera prolífera, Dendrobium anosmum, Dendrobium moschatum, Zootrophyum dayanum var. xanthinum, Phalaenopsis lueddemanniana modesta, Phalaenopsis pulchra e Cadetia taylorii.






Dica: quando estiverem bem enraizadas, Vandas com no mínimo 3 raízes grandes, corte o keiki e replante-o. Geralmente a folha antiga ou o rizoma permanecerão na planta adulta.
Única flor no centro da folha, sem keikis.

Os keikis surgiram no centro da folha junto da haste sem a flor.




sexta-feira, 14 de setembro de 2018

Eria amica

Oi!

Consegui este corte da Eria amica num grupo de media específico de orquídeas.

Havia mais uma pessoa que tinha o corte, mas preferi adquirir de um colega que havia dado outras orquídeas anteriormente de presente.

Cada ano está maior e com haste com mais flores! Um encanto! Vejam as fotos no post anterior sobre ela.

Veja o link: http://www.diariodoorquidofilo.com.br/2017/09/eria-amica.html

Pinalia amica ou Eria amica é do sudeste asiático.




sexta-feira, 7 de setembro de 2018

Cattleya lueddemanniana Destaque do mês para a orquídea venezuelana

Olá orquidófilo!

Cattleya luedemanniana. Orquídea unifoliada.

Este mês começou com o botão da minha abrindo rapidamente no início da manhã. Soube que ela é assim, rapidamente abre e que o labelo de cada orquídea é único!

Soube também ser da Venezuela, desde o litoral do Caribe até a área montanhosa. Me fez lembrar da viagem do naturalista Alexander von Humbodlt em 1800 descrevendo a região árida com palmeiras de buriti (Mauritia flexuosa) e temperaturas de 50 graus Celsius no solo no centro desta região.

Soube também que as rubras estão em altitude nas montanhas e as de cores mais claras perto do litoral. Há controvérsias sobre isto.

Bom, sei na prática que ela se ressente do replantio. Fica enfraquecida com bulbo de menor porte e flor única. Foi o que aconteceu com ela. Suas flores podem durar até uma semana, sendo este o motivo de não ser escolhida para comercialização intensiva.

Bom cultivo!

Cattleya lueddemanniana tipo x rubra

Dois exemplares menores com 1 ano e meio que foram retirados dos frascos

Presente de um produtor de Uberaba: Dois cruzamentos com a C. lueddemanniana Haydé




Ph da água

Ambos medidores comprados via website
Olá,


Hoje é feriado e recomendo fazer uma pesquisa sobre a importância do ph da água para as suas orquídeas.

Uma explicação rápida: pH se refere à íons presentes na água. Nada tem a ver com o cloro utilizado na água potável que vem para a nossa casa. Este cloro, após uns 3 dias evapora. Por isso alguns gostam de dar água nas orquídeas após a evaporação e reservam a água por este período.

Uma amiga produtora esteve aqui e me passou esta dica. Questionada sobre o que poderia ser melhorado no Brasiliana, ela me disse: - As orquídeas adoram ph entre 4 e 5, como água de poço artesiano. Compre o medidor de ph e passe a monitorar a água da rega, uma vez que você tem um reservatório sem água de chuva, mas com água da rua para o sistema de irrigação automática.

Comprei o medidor de ph e passei a pesquisar:
- água mineral: 3,5
- ácido até 7
- base: 7
- alcalina acima de 7

Um amigo esteve aqui: medimos a água da rua: 3,9. Um dia e meio depois, 10,9.

Ainda não concluí nada! Devo pesquisar muito mais, mesmo sendo uma coleção particular sem interesse na produção e venda, as orquídeas agradecerão qualquer benefício que se possa realizar.

Bom cultivo!