sexta-feira, 31 de agosto de 2018

Preparo para a primavera

Olá,


As temperaturas aumentaram rapidamente nesta semana! As abelhas jataís sairam da colméia, finalmente! Percebi que perto dos 10 graus Celsius elas não saem, ficam recolhidas todas, inclusive os guardiães da colméia.

Isto serviu de alerta para recolher o húmus e o chorume da composteira vertical, preparar o solo das frutíferas e hortaliças e todos os vasos das orquídeas.

Aproveitei e repassei todos os vasos, acrescentei o lesmicida em grânulos e dei baixa em alguns exemplares. É fato! Algumas morrem e temos que renovar o orquidário com outras espécies ou gêneros. O mais difícil é encontrar exemplares com flores que não sejam Cymbidiuns, Phalaenopsis e Dendrobiuns neste final de inverno. Rs.

Fiz aquisição de algumas ferramentas que estão disponíveis no mercado:

1- luvas confortáveis que respiram
2- arame flexível para tutoramento
3- medidores de ph do solo e da água
4- mangueira flexível (ganhei de presente da minha mãe)

Vejam abaixo:







sexta-feira, 24 de agosto de 2018

Epidendrum aggregatum ou Dendrobium lindleyi

Oi orquidófilo,

Para quem visita as exposições de orquídeas, já conhece o Epidendrum aggregatum.
Nome: Dendrobium lindleyi
Sinônimos: Callista aggregata (Roxb.) Kuntze 1891; Dendrobium aggregatum Rox. 1832; Dendrobium alboviride var. majus Rolfe 1932; Dendrobium lindleyi var. majus (Rolfe) S.Y.Hu 1973; Epidendrum aggregatum Roxb. ex Steud. 1840;


Nativa do sudeste da Ásia, incluindo Sikkim, Butão, nordeste da Índia, Birmânia, Tailândia, Laos, Vietnam e sudoeste da China.







Orquídea vistosa pelas hastes com flores amarelas quase alaranjadas. Fragância peculiar. Duração até 7 dias.

Aqui está com cerca de 30 bulbos, 9 hastes e poucos bulbos caducos que perderam a folha.

Li em alguns blogs e sites de venda que o sombreamento é 70%. Aqui não funcionou. Lembra que prefiro falar de lux? - Pois é, foi bem debaixo do Ficus com sol direto pela manhã até a hora do almoço. Então, arriscaria a dizer que a luminosidade é de 70%.

Adubação com chorume. Orquídea muito resistente às pragas e infestações. Vi que consideram nível médio de dificuldade de cultivá-lo. A dica é claridade, vento e substrato de drenagem rápida e boa base para as suas raízes se fixarem.

Bom cultivo!

sexta-feira, 17 de agosto de 2018

Coelogyne flaccida

Oi! Muito frio?



As temperaturas despencaram nesta semana variando cerca de 10 graus, bastou para as Coelogynes começarem a dar o ar da graça!

Comprei um vaso com uns 4 a 5 bulbos em 2014. Rapidamente entouceirou e já cortei uma frente dela para uma amiga. O cultivo desta Coelogyne é fácil.




Coelogyne flaccida.





Descrita por John Lindley (1830).
Sinônimos: Pleione flaccida e Coelogyne esquirolii.
Origem: da China e Nepal ao Vietnam.
Habitat: epífita em matas claras, quentes e úmidas.
Altitude: 400 a 1.900 metros.

Cultivo: casca de macadâmia e carvão, fundo do vaso cerâmico com pedaços de isopor.

Dica: o tipo de crescimento desta orquídea se desenvolve bem num vaso circular, há várias frentes com várias hastes pendentes. Apesar de ser fundo, o substrato está do meio para cima. O restante do isopor no fundo evita formigas e protege suas raízes para não ficarem encharcadas de água. Sua fragância é acentuada e marcante, não passa imperceptível e é característica dela.

Bom cultivo!



sexta-feira, 10 de agosto de 2018

Orstedella centradenia ou Epidendrum centropetalum




Nativa da Costa Rica, Nicarágua e Panamá, da família Epidendrum, a Orstedella centadenia ou Epidendrum centropetalum é uma micro-orquídea de fácil cultivo. Geralmente encontrada sobre as árvores da floresta nativa voltada para o Oceano Pacífico, em altitudes de 1000 a 1400m acima do nível do mar.

Li num blog que ela adora ventos fortes e iluminação de 25 a 35 mil lux. Suporta variação de temperaturas no decorrer do dia e nas estações do ano. A umidade relativa do ar deve ficar entre 70 a 80%. Vi também fotos onde há o cultivo no toco ou placa de madeira.

Este exemplar veio de Curitiba e replantei-o num vaso cerâmico sem furos laterais e substrato de carvão com casca de macadâmia picada. Suas raízes grossas são exageradas em relação ao vegetativo fino e delicado das hastes e folhas miúdas.

Seus botões demoraram um pouco para abrir, mas quando vi a coloração e forma da flor, valeu a espera. Andava um pouco preocupada sem saber se a planta havia sentido o replantio durante o início da floração.

No meio da haste está se desenvolvendo uma raíz e um keike/muda. Vou observá-lo.

Bom cultivo!

sexta-feira, 3 de agosto de 2018

Rodriguezia decora - Destaque do mês

Olá, 

Hoje falaremos um pouco sobre a Rodriguezia decora. Uma jóia nacional!  Nativa da região sudeste e sul, região serrana próxima ao litoral. Recomendo tê-la na sua coleção.

Muito agradável e bem peculiar. Possui o sistema vegetativo escandente com hastes que funcionam como um rizoma entre os pseudobulbos ovóides e unifoliares.

Sua haste floral possui várias flores com o labelo totalmente branco e pintas na cor magenta/vinho, um encanto. Aqui está com mais de 15 dias florida.

Suas raízes finas são aéreas e quando muito se fixam num apoio de madeira, fino e alongado porque esta orquídea crescerá para cima e não há necessidade de substrato ou base nas laterais.

Este exemplar foi adquirido em Curitiba. Estava fixado numa ripa de madeira com um pouco de musgo numa tela na sua base. Acrescentei uma cesta de plástico e substrato de carvão com casca de macadâmia para reter um pouco mais de umidade e adubo do tipo bokashi.

Acredito que o clima temperado (úmido e temperatura mais baixa) em Curitiba tenha feito bem para este exemplar. Vamos observar aqui em São Paulo.

Tem uma fragância bem suave, quase imperceptível.