sexta-feira, 27 de julho de 2018

Inverno seco com muitos dias sem chover e 25% de umidade relativa do ar

Olá amigo orquidófilo!

Bifrenaria

A resposta vem da prática e observação, ou da dica de algum cultivador experiente. Neste inverno fui visitar um orquidário de Curitiba e havia muitas orquídeas interessantes, desde híbridos até espécies nativas de outros países.

Numa conversa rápida entre a escolha de um exemplar e outro, o proprietário comentou que as folhas ressecam na ponta ou apresentam manchas escuras nas folhas porque ali é frio (havia feito 1oC naquela semana).
Acianthera

O que me remeteu à Acianthera acima e outras espécies que apresentam desidratação nas folhas no Brasiliana. Significa que devo garantir que as baixas temperaturas e ambiente seco devem ser evitados para estas espécies sensíveis a estas duas combinações.
Coelogyne

Então, vamos lá, relacionei as espécies daqui e devem valer para São Paulo e local com luz moderada como aqui:
  • Coelogyne
  • Acianthera
  • Stellis
  • Bifrenaria
Detalhe: todas apresentam folhas finas ou nem tanto, algumas com pseudobulbo, outras não.
Stellis
Veja, o processo natural de perda da folha para o crescimento vegetativo é natural em todas as espécies. Estou relacionando aqui alguns exemplos que não justificam as pontas secas ou manchas num exemplar vigoroso.

Enquanto isso, umidade relativa do ar na faixa dos 25%: rega diária durante a manhã e aguardando o recebimento das escolhidas em Curitiba!

Bom cultivo!

Nenhum comentário:

Postar um comentário