sexta-feira, 30 de março de 2018

Prostachea radiata

Olá, hoje trago a Prostachea radiata. Uma  das mais interessantes: fragância que lembra mel e coloração da orquídea baunilha. Como as demais desta espécie, não tolera muita retenção de água no substrato e necessitam de sol direto, mesmo que moderado.









Durante o inverno, a redução da rega é fundamental para esta orquídea. Já comentamos que a maioria afoga as suas orquídeas. Sem exceção! Rs.

Nativa de uma vasta região da América Central e América do Sul, de países como o México, Panamá, Costa Rica, Honduras, Guatemala, Colômbia, Belize e Venezuela.

Este exemplar veio de um amigo que mora em Ubatuba, fez um corte e me deu em 2014! Sempre vem com frentes novas e inflorescências no ápice. Suas flores são ressupinadas, ficam de ponta cabeça.

(O que aprendi visitando o cultivo deste amigo: ela estava cultivada numa rocha na beira do mar! Clima bem úmido, porém suas raízes não retinham água de nenhum subtrato). Sempre vale a pena visitar locais e cultivos diferentes para se aprender algo mais.

O interessante dela é que é de pequeno porte e se ramifica nos pequenos rizomas e pseudobulbos alongados e folhas de pequeno porte.

- Uma graça para se ter na coleção! Obrigada pelo presente!


sexta-feira, 23 de março de 2018

Cattleya labiata purpúreo lineata

Olá, mais uma labiata!

Hoje falaremos da Cattlyea labiata purpúreo lineata.

O seu vegetativo é bem menor que muitas desta espécie.

Delicada e menor, seu labelo é bem delimitado pela coloração púrpura! Aliás, o labelo é bem grande em relação as pétalas e sépalas.

Possui pétalas bem curvilíneas e sépalas voltadas para trás.

Esta foi adquirida cerca de 3 anos atrás por um amigo mineiro, grande colecionador e cultivador de orquídeas.

Espero vê-la maior e mais nutrida no ano que vem! Fica a dica para eu intensificar os nutrientes para deixá-la mais forte.





sexta-feira, 16 de março de 2018

Cattleya labiata roxo bispo "urbano"

Oi!

Época de Cattleyas labiatas. Digo que são bem agradáveis, de boa forma e muitos meristemas realizados por diversos cultivadores.

Hoje trouxe a Cattleya labiata roxo bispo "urbano"

Este exemplar veio de um cultivador renomado de Curitiba. Soube ter sido encontrada numa mata em Pernambuco. Não me pergunte como foi parar em Curitiba! Rs.

Segunda floração com três unidades bem agradáveis na forma e coloração.

Sua textura poderia ser mais forte, entretanto ainda não sei como deixar a flor mais vigorosa. Seu vegetativo é bem saudável.

Aqui está num substrato misto de casca de macadâmia, carvão e musgo chileno. No fundo há pedaços de isopor picado e o vaso drena rapidamente.

Digo, simplesmente linda!!!



sexta-feira, 9 de março de 2018

Dendrobium spectabilis

Olá, hoje trago uma proeza! Adivinhe?

- O Dendrobium spectabile. Bem espetacular!

Sinônimos: Callista spectabilis; Dendrobium spectabile f. aurea; Dendrobium tigrinum; Latourea spectabilis; Latourorchis spectabile e Sayeria spectabilis.

Espécie originária de Papua-Nova Guiné e Ilhas Salomão onde vegeta de forma predominantemente epífita.





- Esperei 5 anos até a floração que estou publicando neste artigo! Havia cultivado ele num substrato misto de terra, areia e húmus num vaso fundo sem furos na lateral.

Recebi a grande dica de um colega orquidófilo de Niterói! - Sol, sol e sol!

Depois de dois anos com sol da manhã, surtiu a sua floração. Gostei da flor e do resultado, apesar de ter queimado duas folhas durante este verão.

Sua exuberância é exótica demais, tudo muito dramático. Eba! Mais um Dendrobium que deu resultado por aqui.

Bom cultivo de Dendrobiuns!

sexta-feira, 2 de março de 2018

Coelogyne fimbriata - Destaque do mês

Olá amigos e amigos de todo Brasil!

Segue a última aquisição, compra por impulso! - Coelogyne fimbriata.

Natural do Nepal, Thailândia, India e China.


Como não bastasse as demais Coelogynes da coleção Brasiliana, mais esta.

 - Adulta com o crescimento escandente e vários botões.

Veio de um orquidário de Cotia cujo proprietário é bem rigoroso. Era o exemplar mais exuberante entre outros vasos e uma colega aceitou dividí-la. Simples assim.

Deve ser replantada após sua floração acabar. Esta com substrato misto (carvão, chip de côco e casca de peroba).

Cada flor chega até 4cm de diâmetro. É bem pequena se comparada com as demais primas.

Soube necessitar de umidade do ar entre média e alta como as demais Coelogynes. É considerada de fácil cultivo.

Bom cultivo! Aprecie com moderação. Rs.


Cattleya bicolor

Oi,

Devo confessar que houve uma ousadia em escolher esta espécie para cultivar no Brasiliana devido ao seu porte enorme.

É sua primeira haste floral por aqui. Fui surpreendida pelo seu labelo bem estreito junto da coluna e cor homogênea!

Sendo uma Cattleya bifoliada, suas raízes aparecem antes da floração, então foi possível replantá-la no final de ano e deu flores em fevereiro.

Mantive o seu cultivo no lado sul, onde há mais queda de temperatura junto do sombrite.

Está cultivada no vaso cerâmico furado e substrato graúdo de casca, carvão, um pouco de musgo chileno sobre camada de isopor.

Labelo estreito junto da coluna
(Ainda não estou confortável no cultivo dela. Quero ver 6 flores numa haste! Rs.)

Vamos em frente no cultivo destas magras e bifoliadas!