sexta-feira, 23 de fevereiro de 2018

Miltonia moreliana


Olá,
Hoje o destaque é para a Miltonia moreliana. Vinda diretamente do Espírito Santo, dado de presente por um amigo orquidófilo em 2014.
Sinônimos: Miltonia spectabilis var. moreliana, Miltonia rosea, Miltonia warneri, Miltonia spectabilis var. atrorubens.
Origem: ES, BA, PE, AL.
Habitat: epífita em florestas úmidas sob alta luminosidade porém abrigada de luz direta.
Altitude: 300 a 900 metros.
Deu uma única flor neste ano, mas a flor! Enorme e bem perfumada.
Finalmente parece que aprendi no cultivo deste gênero. Parece. Está no vaso de plástico com isopor no fundo, casca de macadâmia e carvão.
Está debaixo do plástico agrícola onde o sol aparece diretamente no verão das 11:00 às 12:00.
Labelo com 5cm de comprimento

8cm de largura

sexta-feira, 16 de fevereiro de 2018

Maxillaria camaridii

Olá, 

Trago hoje a Maxillaria camaridii!

Adquiri cortes de um cultivador antigo e renomado na região de Jundiaí. Não sei a procedência dela.

Replantei-a no vaso de plástico e já floriu. Soube ser de fácil cultivo.

Considero esta espécie bem interessante, pois suas flores são sequenciadas entre os pseudobulbos novos. Aqui abriram e ficaram abertas por mais de 3 dias! Um feito da natureza! Todas brancas com um toque de amarelo uniforme, sem contraste. Flores nem tão abertas.

Tenho outro exemplar que veio de Manaus, do mercado Veropeso. Sua flor é maior e tem o amarelo no centro dela. Pena não estar florida para compararmos. Sua flor tem um ou dois dias de vida. O formato é bem mais bonito apesar da floração ser bem menor.

Por isso vejo a importância de saber a procedência da orquídea, cada população difere da outra, seja na forma ou cor.

Hoje não saberia dizer qual é menos interessante. Rs.

O perfume de ambas são inconfundíveis! Simplesmente fantástico.


Várias flores entre pseudobulbos
Flores com duração de mais de 3 dias

  • Sinônimos: Camaridium ochroleucum ; Maxillaria hoehneana B.F. Kunt, 1965).
  • Origem: México, Guianas, Bolívia,  Trinidad, Colômbia, Peru, Venezuela e Brasil (região norte e região centro-oeste).
  • Orquídea epífita e simpodial, tem rizomas longos com pseudobulbos achatados, compridos  e espaçados. Suas flores  medem entre 4 cm e 5 cm, brancas com labelo amarelo, cerosas, perfumada, duram apena 1 dia. Gosta de boa ventilação, sombreamento: 70%  e umidade:  60%.
  • Planta de fácil cultivo e pode florescer até 3 vezes ao ano.

sexta-feira, 9 de fevereiro de 2018

Percevejo-das-orquídeas (Tentecoris bicolor)

Olá,

Hoje trago um assunto da semana no Brasiliana. Conhecido por muitos orquidófilos: Percevejo das orquídeas ou Tentecoris bicolor.

Infelizmente para nós este inseto vem buscar nutrientes e escolhe folhas novas e tenras, frentes das orquídeas. Percebi que escolhem folhas carnudas das Cattleyas, Epidendrums e Hadrolaelias. É a cadeia alimentar e as orquídeas oferecem alimento para ele.

Aqui já atacou Epidendruns, Cattleyas, Hadrolaelias. Deve atacar demais gêneros que desconheço.

O ambiente no Brasiliana é controlado. Possui sombrite, plástico agrícola e tela, entretanto parte dele está desprotegido, na face norte onde possui as frutíferas nos vasos. Nesta área há o cultivo de C. walkerianas, Epidendruns, Hadrolaelias, Sobralias e as terrestres, assim como algumas Maxillarias.

O vento lateral é um aliado importante para a área que possui cobertura em plástico agrícola e telha translúcida. Cruza estas áreas constantemente e há sombrite nas laterais para evitar insetos e demais pragas.

Quase que diariamente percorro todos os vasos e havia percebido um ataque isolado de Tentecoris numa Cattleya, depois noutra, isolei todos os vasos atacados, incluindo uma Hadrolaelia e um Epidendrum, pois haverá indivíduos novos se desenvolvendo nas folhas pelos próximos dias.

Estágio inicial e avançado
Preferi cortar a folha
Percebi indivíduos adultos (laranja e preto) e outros menores (pretos), matei esmagando-os. Podem voar ou se esconder dentro do substrato graúdo. Na dúvida, elimine a folha, pois o controle dos jovens é mais difícil por serem bem menores e pretos. Observei que enquanto tiver claridade, há possibilidade de encontrá-los, sem ter dificuldade de exterminá-los.

Apliquei SPB e devo pulverizar neem para evitar que saia do controle e acabe exterminando alguma orquídea.

(Após a publicação deste artigo, foi aplicado o K-othrine. Não havia neem no estoque daqui).

No caso de não resolver, aplicarei o inseticida sistêmico para não perder os exemplares.

Quais conseqüências se fugir do controle? - aumento considerável de indivíduos adultos e exterminação da orquídea por contaminação.

Bom controle!


sexta-feira, 2 de fevereiro de 2018

Floridas neste verão 2018


Olá orquidófilo. Espero ter aproveitado bem as férias escolares. Aqui foi bem produtivo.

Por aqui choveu muito e o tempo ficou nublado durante vários dias sem sol. Quase não teria o que mostrar por fotos.

Destaco abaixo a floração do B. barbigerum, a Cadetia taylori e a Maxillaria variabilis red. Estão aumentando a touceira e a floração tem intensificado nelas.

Bulbophyllum barbigerum cultivado no substrato misto
Maxillaria variabilis red cultivada no substrato misto
Cadetia taylori cultivada no musgo
Nada! Absolutamente nada se compara à fragância da Cadetia taylori! Imperdível! Além da duração de suas flores, ah, um show a parte por quase um mês.

Destaco o acontecimento de keiki na Cadetia taylori e no Zootrophium dayanum var. xanthinum. Desde a aquisição desta última citada em 2015, aguardo a flor amarela que não abre, parece uma promessa. Rs.

Keiki da Cadetia taylori
Keiki do Zootrophion dayanum var. xanthinum
O plástico agrícola foi trocado e intensificou o sol nela, quase queimou todas as folhas mais velhas. Acredito que se não estivesse entre outras maiores, teria perdido as folhas. Não trocarei mais o plástico, simplesmente o lavarei.

Bom cultivo destas pequenas!