sexta-feira, 24 de novembro de 2017

Coelogyne xyrekes

Olá,


Trago hoje a Coelogyne xyrekes, prima de Coelogyne usitana já descrita neste blog.

Pesquisando algumas Coelogynes, fiz uma lista. Esta foi presenteada pela amiga. Veio num vaso de plástico.

O que elas tem de comum? - Ambas são de haste floral pendentes e possuem folhas longas que caducam. Cada haste se desenvolve na base do bulbo novo. Outra ponto em comum, ambas florescem em novembro/dezembro e possuem flores seqüenciais.

Assim que chegou no Brasiliana, replantei com mix de casca de macadâmia e carvão sobre uma base de isopor picado no fundo de um vaso cerâmico fundo, sem furos nas laterais. As raízes secam e ficam molhadas. Talvez esta seja a maior dica para o cultivo desta Coelogyne, assim como das orquídeas em geral.

Suas raízes se desenvolveram rapidamente com o mix de micorrizas que utilizo no plantio.

No mês passado foi adubado com bokashi sem cheiro que uma amiga ofereceu para experimentar. Adorei este bokashi! Encomendei alguns kilos dele. Rs.

Bom cultivo de Coelogynes!

A sépala não abre, fica fechada junto à coluna.
Veja como as pétalas ficam na horizontal.

Para ver a flor é necessário abrir a sépala

Veja como o labelo é interessante



sexta-feira, 17 de novembro de 2017

Maxillaria tenuifolia

Oi,
Finalmente trouxe ao blog a Maxillaria tenuifolia. Famosa pela fragância de côco.
Origem: México, Guatemala, El Salvador, Honduras, Nicarágua e Costa Rica – de 0 até 1500m; Epífita, ocasionalmente terrestre, 10~30 centímetros;Flor: 4~5 centímetros;Época de floração: primavera; Flores: 10~20 dias;

Sinônimos: Maxillaria gracilifolia Kraenzel 1927; Maxillariella tenuifolia (Lindl.) M.A. Blanco & Carnevali 2007, The Coconut Orchid, The Delicate Leafed Maxillaria;

Ganhei esta touceira de uma amiga. Tentei o local ideal dela por três anos. Finalmente, após a troca de substrato no ano passado e exposição maior ao sol apresentaram resultado neste exemplar.

Lição aprendida: nunca substime o cultivo da sua orquídea. O que está escrito é diferente da experiência no cultivo dela. A observação é a melhor dica!

Aguarde um tempo para ela se adaptar, outro período para ela dar sinais de crescimento e desenvolvimento. Caso contrário, observe o que pode ser alterado para ela se desenvolver.

Neste caso no segundo ciclo de estações do ano, promovi o replantio e desloquei para um local com mais luz direta. Após a queda de temperatura e chuva, as flores deram o ar da graça. Finalmente! Rs.

Agora, ela merece um lugar de destaque, mais alto no mesmo local.

Próximo passo: aumentar a floração, pois há várias frentes.

Tenha um bom cultivo de Maxillarias.


sexta-feira, 10 de novembro de 2017

Laelia sincorana alba

Olá orquidófilo,

Trago novamente a Laelia sincorana alba.

Fui tomar café no orquidário e me deparei com a floração dela. Seis flores abertas com um leve perfume no período da manhã.

Ganhei o dia!


Seis flores albas com quatro frentes

Veja o post que havia feito no ano passado:

https://www.blogger.com/blogger.g?blogID=3289191018640659854#editor/target=post;postID=3462004705167437526;onPublishedMenu=allposts;onClosedMenu=allposts;postNum=54;src=postname

Por que publicá-la novamente?

- Pelo cultivo dela:

O cultivo dela se apresentou mais fácil do que achava. (Pelo menos até agora).

Está entre as demais que ficam abaixo do plástico agrícola e recebem sol pela manhã.

- Pela avaliação visual:

Devo expô-la mais à claridade, pois as folhas estiolaram um pouco.


- Outro principal motivo:

Inexistência dela no mercado comercial. Não tem preço.

Fui procurada por um colega orquidófilo interessada nela.

Não devo expô-la ao público. Há o risco de roubarem a polínea ou a planta toda. Rs.

- Sua história:
Um cultivador tradicional cansado de andar e bem atrás dos demais a avistou na Serra do Sincorá. Bom o resto não devo contar.

Ficamos por aqui.

sexta-feira, 3 de novembro de 2017

Coelogyne pandurata

Orquidófilos,

Hoje trago a Coelogyne pandurata.
Labelo marron e laranja, sépalas e pétalas amareladas com um pouco de verde
Antes de tudo preciso dizer uma coisa: é enorme! Precisa destinar um raio de 1,00m e de altura também. Ou mais...




Ganhei um corte no início da orquidofilia do amigo James Lee King. No primeiro ano deu uma haste floral relativamente vigorosa.

Ficou por anos sem dar flores porque eu a replantei para um vaso maior.

No ano passado desloquei para uma área onde há plástico agrícola e sol pela manhã. Bingo! Folhas e bulbos enormes, duas frentes, duas hastes em cada.

Daí aconteceu um incidente, perdi uma haste. A segunda veio vigorosa. Ocorreu uma assimetria na floração devido ao incidente. Este evento deixa qualquer cultivador/colecionador de mau humor. Rs.


Uma haste com 17 flores
Vamos falar sobre o cultivo dela. Está no vaso cerâmico sem furos nas laterais com isopor no fundo e substrato grande de casca, nenhum musgo e carvão.

Adubação por aqui com organo-mineral e chorume.

Folhas sem queimaduras. Sem pragas.

Fácil cultivo. Lembre-se de deixá-la com claridade moderada e ventilação constante.

Origem: Malásia, Filipinas e Sumatra.

Bom cultivo!

Destaque do mês - Coelogyne usitana

Olá,

Iniciei a coleção Brasiliana com a Coelogyne cristata. Foi com ela que iniciei a aquarela botânica também. Hoje trago sua prima: Coelogyne usitana. Ganhei este corte da amiga Leili Odete Campos Izumida.
Haste pendente

Labelos e sépalas brancas com um vinho avermelhado no centro


Planta de porte médio, folhas grandes e finas, floração irregular/qualquer época do ano. Sua haste floral se desenvolve a partir da primeira para a última flor, ficando cerca de dois a três meses com apenas uma flor aberta de cada vez, cada flor aberta por 7 a 10 dias.


Cultivada no musgo chileno, carvão e isopor. Gosta de sombra e umidade relativa do ar alta.

Originária das Filipinas, Ilhas Mindanao, portanto clima quente. Altitude de 600 a 800 metros acima do nível do mar.

Sem fragrância acentuada.

Suas cores cativam e são especiais para uma orquídea! Fugindo muito das cores nativas do Brasil.

Desejo um excelente cultivo de Coelogynes!
No centro um riscado branco em contraste com o vinho e tom alaranjado na coluna