sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Phalaenopsis, a orquídea borboleta

Volto a falar da Phalaenopsis neste artigo. Fui surpreendida por esse exemplar no Paraná.
Dois exemplares com duas hastes florais cada


Flores regulares de grande duração/até 90 dias
Vejam o outro artigo que traz sobre as minis Phalaenopsis: Phalaenopsis hibridas, as minis

Este gênero de orquídea possui um apelo muito decorativo e agradável para ambientes internos. Além de ser um presente interessante, a qualidade de cultivo é demonstrado pela apresentação de duas hastes por exemplar. A duração de suas flores apresenta até 3 meses, sendo que o desbotamento das cores e a desidratação são os sinais para a queda da flor.

Gostam de luz indireta, sombreamento, umidade relativa do ar alta e clima moderado a quente.

Possui crescimento monopodial.

Folhas pendentes como as fotos abaixo.
Comprimento quase aos 40cm

Coloração desta folha denuncia a flor mais clara ou branca
A maioria dos colecionadores de carteirinha rejeitam este gênero após cultivar outras orquídeas nativas. Ouvi de um estudioso que a maioria dos colecionadores experientes acabam matando o exemplar deste gênero por desaprender a cultivá-lo.

Possuo dois exemplares híbridos do início da orquidofilia. Possuo algumas espécies pequenas que apanho em cultivá-las.

Vejam as raízes expostas na parede e prateleira. O velame absorve rapidamente a rega.

O grande sucesso desta cultivadora amadora foi ter destinado este  espaço ao lado da piscina. Lugar coberto, muito iluminado, muito ventilado. Estão protegidas do sol e queimaduras, chuva e granizo, da baixa temperatura. Possuem local fixo acima da bancada da churrasqueira.







Preciso dizer que não estão adubadas. Recebem somente cascas quebradas de ovo (cálcio). Isto tem bastado para darem um show no inverno com diversas hastes e flores.

Há também um detalhe, a rega é feita com água de poço artesiano, sem cloro.

O escoamento da rega no substrato é imediato.

Nunca a haste ou folhas são cortadas após a queda das flores ou amarelamento da folha. Então sempre há mais ramificações nas hastes para nova inflorescência.

É preciso dizer mais?


Nenhum comentário:

Postar um comentário