sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Eria amica

Olá,

Hoje apresento a primeira floração da Eria amica.

Sinônimo: Eria andersonii, Eria hypomelana Hayata, Octomeria excavata, Pinalia amica, Pinalia andersonii

Primeira floração
Possuo no Brasiliana a Eria langbianensis (flor branca, cheiro de água sanitária de curta duração, cultivada em substrato graúdo, crescimento rápido), a Eria mycaranthes (flora branca bem pequena e labelo vinho, sem perfume, duração prolongada, cultivada no vaso com diâmetro bem pequeno, crescimento prolongado, necessita da maior claridade), a Eria rosa que nunca floriu, sendo as duas primeiras de fácil cultivo. Eu desconhecia esta Eria amica e me encantei com o labelo amarelo quando vi uma publicação na rede social. Fui atrás e não me arrependo!

Observei que após o replantio ou corte, ambas suspendem a próxima floração.

Possui porte pequeno, flores de até 1,5cm.

Nativa no nordeste e leste do Himalaia, India, Nepal, Butão, Miamar, Tailândia, Laos, Camboja e sudeste da China, Taiwan e Vietnã. Desenvolve-se no musgo velho das árvores de floresta baixa e fechada entre as altitudes de 600 a 2200 acima do nível do mar. Temperaturas quentes para clima ameno.

Seus pseudobulbos são pequenos, cilíndricos e ovóides. No topo, duas folhas.

Haste com até 10cm na primeira floração.

Está cultivada em substrato médio, musgo, carvão e um pouco de casca, sem brita. Vaso cerâmico com furo no fundo sem furos laterais, assim a umidade permanece um pouco mais no substrato, pois a rega demora um pouco mais para drenar.

Colorido agradável
Colega orquidófilo, desejo um bom cultivo de Eria!

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

Dicas de organização - Parte 2/2

De minimalismo a coleção Brasiliana não tem nada!
Imaginei se fosse praticar o minimalismo no cultivo de orquídeas manteria os seguintes itens:


1- tesoura

2- maçarico
3- madeira para cultivo


ou



Abriria mão de alguns gêneros...talvez as que não possuem a inflorescência exuberante, ou as que não abrem completamente...


Mera especulação!


Adoraria ter touceiras enormes de algumas orquídeas. Pena que não há espaço para tanto, né?!



Prefiro praticar dentro de casa e manter o Brasiliana cheio de gêneros, presentes repetidos, etc. Rs.



O máximo que consegui organizá-lo foi setorizando devido à iluminação natural ou sombreamento, umidade, proteção da chuva, etc.

Algumas orquídeas tomam sol logo pela manhã e outras no final da tarde.



Ainda assim, perco alguns exemplares no inverno ou por descuido na rega com as micro-orquídeas. Faz tempo que não adquiro algum exemplar e que eu tenha a lista de desejos ativada para compra via internet ou nas exposições.



Foquei na organização da casa e ganhei produtividade com isso. Além disso, ganhei qualidade de vida de forma indireta no dia-a-dia. Se for levar na ponta da letra, o minimalismo seria viver no habitat delas. Rs.



Os gatos ganharam um rotina diária de banho de sol e exercícios. É claro que o mais velho tem preferência! O Oliver é alfa e merece todo o respeito.

Oliver fazendo charme!!!

Talvez o que represente bem o minimalismo: a coleção de air plants. Que por sinal estão indo muito bem!

As air plants estão com mudas. Ficam no pé de romã. Tomam sol pela manhã até o final da tarde.



sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Dicas de organização - Parte 1/2

Comecei 2017 organizando tudo em casa! Fiz listas, anotei medidas, escolhi caixas e afins. Vi vários canais no YouTube. Escolhi alguns canais com informações interessantes.

Desde objetos de uso pessoal, rotinas, armários, utensílios. Foi assim que cheguei a decisão para reformar a casa. Sabe quando não dá mais para adiar?!? - Pois é.

Agora devo organizar parte do material que fica fora da casa, ou seja, área de serviço e o orquidário. Talvez o orquidário já esteja mais sistematizado e tenha mais pertences.

De qualquer modo quero compartilhar a experiência do meu dia-a-dia com a organização.

1- Simplifiquei a limpeza utilizando bicarbonato de sódio, vinagre branco, desinfetante e sabão caseiro (óleo de cozinha usado, detergente, desinfetante e soda caústica). De vez em quando uso lustra-móveis nos azulejos, vidros e móveis de madeira. Veja como isto simplifica a lista no supermercado.

2- Sistematizei as lixeiras. Mantive a da coleta seletiva e uniformizei todas de tamanho, assim há o mesmo tamanho de saco de lixo.

3- Optei por fazer uma agenda com as atividades semanais e mensais. Assim não há desculpa e nem precisa ver o que é necessário fazer. Vou e executo.

4- Na rotina entraram atividades que sempre eram adiadas. P. exemplo, lavagem, cêra e aspiração dos carros.

5- Incluí retirar chorume das minhocas, adubar as frutíferas, etc.

6- Havia destinado um dia fixo da semana para o cultivo das orquídeas, agora destinei horas no decorrer da semana. Procurei evitar o cansaço físico e alternei atividades gerais no decorrer dos dias.

7- Aprendi a fazer um caldo fervido com limão, canela, alecrim e baunilha. Uma delícia! Espanta tudo e deixa a casa com uma energia incrível.

8- Reciclei potes de vidros, caixas de leite, potes de plásticos, garrafas de água mineral, etc. Dei uma função para estas embalagens. Doei para amigos que valorizam a reciclagem de vidro e garrafas pet.

9- Desapeguei de roupas, jogos de cama, utensílios da cozinha, produtos de beleza, etc. Mantive o essencial (o que já é muito! rs).

Ainda não consegui 33 peças para vestir por cada estação do ano ou praticar o minimalismo tão desejado por mim desde 2010. Veja a quantidade de vasos e orquídeas no Brasiliana. Hehehehe (atualmente supera 600 unidades).

Bom, o resultado foi incrível! Tenho tempo para as orquídeas e não dependo de ninguém para manter tudo limpo e organizado.

(continua na próxima semana)


sexta-feira, 8 de setembro de 2017

Exposição ao sol: C. walkerianas e C. nobiliors

Olá amigo orquidófilo,

Segue o local reformado para fixação de pergolados de peroba tratados com verniz marítimo e contra raios ultra-violetas. Aqui serão penduradas a coleção Brasiliana das C. walkerianas e C. nobiliors. Ficarão junto ao teto, acima dos vasos de frutíferas (romã, mirtilo, amora, figo, limão siciliano).

Estou pesquisando sobre possíveis pragas e doenças de frutíferas que poderão afetar as orquídeas. Estou no Paraná em viagem. Espero colher algumas informações úteis sobre o tratamento do figo.
Reforma concluída, local para C. nobiliors e C. walkerianas
Assim que retornar, executarei o serviço. Da sala poderei avistar as orquídeas. Eba!!!

Estes gêneros necessitam de sol direto e ali ficarão em pleno desenvolvimento. (Ainda estou negociando a expansão do orquidário em casa...rs. Sabe como é: espaço faz aumentar a coleção ou a coleção força a ocupação dos locais inimagináveis para toda a família. Hehehe.)

Considerações gerais:
1- Os pegolados serão desmontados, lixados, as peças receberam parafusos com tratamento anti-ferrugem;
2- Talvez utilize cabo de aço e seus componentes de fixação para a sua suspensão abaixo da laje ou avançando sobre a garagem;
3- A rega ficará manual (Os canos da irrigação automática são pretos e as conexões azuis);
4- Os pendurais serão de aço inox;

Devo confessar uma coisa: magrelas ou não, adorei as nativas! Sei do potencial dos melhoramento genéticos destes dois gêneros, mas as nativas que adquiri da coleção de uma família me encantaram muito! Por isso merecem um espaço para o seu desenvolvimento no Brasiliana.




sexta-feira, 1 de setembro de 2017

Phalaenopsis, a orquídea borboleta

Volto a falar da Phalaenopsis neste artigo. Fui surpreendida por esse exemplar no Paraná.
Dois exemplares com duas hastes florais cada


Flores regulares de grande duração/até 90 dias
Vejam o outro artigo que traz sobre as minis Phalaenopsis: Phalaenopsis hibridas, as minis

Este gênero de orquídea possui um apelo muito decorativo e agradável para ambientes internos. Além de ser um presente interessante, a qualidade de cultivo é demonstrado pela apresentação de duas hastes por exemplar. A duração de suas flores apresenta até 3 meses, sendo que o desbotamento das cores e a desidratação são os sinais para a queda da flor.

Gostam de luz indireta, sombreamento, umidade relativa do ar alta e clima moderado a quente.

Possui crescimento monopodial.

Folhas pendentes como as fotos abaixo.
Comprimento quase aos 40cm

Coloração desta folha denuncia a flor mais clara ou branca
A maioria dos colecionadores de carteirinha rejeitam este gênero após cultivar outras orquídeas nativas. Ouvi de um estudioso que a maioria dos colecionadores experientes acabam matando o exemplar deste gênero por desaprender a cultivá-lo.

Possuo dois exemplares híbridos do início da orquidofilia. Possuo algumas espécies pequenas que apanho em cultivá-las.

Vejam as raízes expostas na parede e prateleira. O velame absorve rapidamente a rega.

O grande sucesso desta cultivadora amadora foi ter destinado este  espaço ao lado da piscina. Lugar coberto, muito iluminado, muito ventilado. Estão protegidas do sol e queimaduras, chuva e granizo, da baixa temperatura. Possuem local fixo acima da bancada da churrasqueira.







Preciso dizer que não estão adubadas. Recebem somente cascas quebradas de ovo (cálcio). Isto tem bastado para darem um show no inverno com diversas hastes e flores.

Há também um detalhe, a rega é feita com água de poço artesiano, sem cloro.

O escoamento da rega no substrato é imediato.

Nunca a haste ou folhas são cortadas após a queda das flores ou amarelamento da folha. Então sempre há mais ramificações nas hastes para nova inflorescência.

É preciso dizer mais?