sexta-feira, 28 de abril de 2017

Sistema vegetativo aéreo

Hoje falaremos do sistema vegetativo aéreo.

As raízes não se fixam no substrato e procuram a umidade e nutrientes do ar que as envolve.

Exemplo: Rodriguezia, Vanda, Angraecum, Campylocentrum. Lembre-se destes exemplos.

Vanda com pouco substrato e raízes aéreas

Estas orquídeas precisam de umidade relativa do ar constante e aceitam bem os nutrientes que são pulverizados. Vejam a foto acima, veio desidratada e começou a desenvolver raiz nova. Dica: não corte as suas raízes desidratadas e velhas. Tenha certeza que está seca antes de cortá-la.

Ah, mas as aéreas precisam de substrato? - Não. Precisam de nutrientes, seja onde estiverem: ar ou substratos. Geralmente diminuo a irrigação delas no inverno como as demais. Já tive Agraecum cultivado num vaso de plástico com bastante carvão e substratos grandes.

Bom cultivo das aéreas!

Complemento que há uma febre por "air plants" entre elas as Tillandsias. Todas sem substrato algum. É o futuro para quem não tem espaço no cultivo. Vejam a minha coleção aumentou e tem se desenvolvido muito bem junto do romã que está plantado no vaso e recebe sol das 10:00 às 16:00.









sexta-feira, 21 de abril de 2017

Sistema vegetativo pendente

Oi,

Hoje é o sistema vegetativo pendente.

O sistema vegetativo geralmente possui raízes fixadas num substrato vertical ou não.

Daí a planta se desenvolve para baixo, incluindo a flor.

Aqui no Brasiliana tenho dois exemplos expressivos: Epidendrum vesicatum, Epidendrum parkisonianum. Dois exemplares bem singulares e interessantes.
Epidendrum parkisonianum
Epidendrum vesicatum
Ah, mas se alguma parte da planta não pende. Então não é o sistema vegetativo pendente. Exemplo de orquídeas que tem o sistema vegetativo cespitoso e dá flores para baixo: Stanhopea. Entendeu?

Aos poucos começará a aguçar a observação e sentirá a necessidade de pesquisar mais e mais. É assim que o nosso interesse na botânica aumenta significativamente com a orquidofilia.

Bom estudo!

sexta-feira, 14 de abril de 2017

Sistema vegetativo cespitoso

Olá,


O sistema vegetativo cespitoso é aquele onde o exemplar se desenvolve para todos os lados. Há um pseudobulbo antigo e a partir dele a orquídea poderá desenvolver frentes para todos os lados, geralmente para onde houver substrato e nutrientes.


Bifrenaria


A orquídea deve ser plantada no centro do vaso cerâmico ou de plástico e nos cachepots de peroba. Nem sempre é possível devido a existência de raízes a serem preservadas. Veja um exemplo abaixo que não pôde ser centralizado, pois as suas raízes são sensíveis e foram preservadas do modo que estavam no vaso antigo.

Grobya amherstiae

Direcionando a frente da orquídea para o leste ou norte, a sua haste floral não se direcionou junto com a sua frente. Na próxima etapa, o pseudobulbo ficará rente a borda do vaso. Rs. Paciência. Teoria e prática que precisam ser observadas por quem cultiva. A Natureza é sábia e os aprendizes somos nós, orquidófilos.

sexta-feira, 7 de abril de 2017

Destaque do mês - Cadetia taylori e Cerathostylis restiquama ou rubra

Olá,

Iníco de outono e temos dois detaques do mês: Cadetia taylori e  Cerathostylis restiquama ou rubra

Por que estas duas?

- Pela floração abundante da Cadetia taylori.
- Pela floração em todas as estações do ano da Cerathostylis restiquama ou rubra.

Ambas já haviam sido publicadas no Brasiliana mostrando o potencial dos dois exemplares. Recomendo a aquisição de ambas na sua coleção!

Bom cultivo!

Cadetia taylori com perfume maravilhoso e floração  intensa a cada ano


Cerathostylis restiquama ou rubra

Pétalas e sépalas brilhantes

Deve aumentar a floração na próxima semana

Sistema vegetativo das orquídeas

Olá,

Hoje escolhi um assunto muito relevante para o cultivo das orquídeas: sistema vegetativo. Neste mês terá a sequência deste assunto, acompanhe.

A importância deste assunto se deve ao buscar o desenvolvimento natural da orquídea e o melhor resultado no cultivo.

Vou dar um exemplo: muitas micro-orquídeas ou mini-orquídeas são replantadas para desenvolvimento para baixo no toco de madeira para que produza raízes. Esta é a alegação de alguns cultivadores. Por aqui não deu certo! Todas se movimentaram para a luz do sol independente da direção de suas raízes e de seu sistema vegetativo.

Detalhe: a aplicação sistemática da vitamina b trouxe resultado melhor na produção de raízes junto com as micorrizas.

Outro exemplo: vasos de barro/cone de barro totalmente na vertical onde a água é depositada dentro dele. Nem todas as cultivadas se deram bem. Por que? A frente da planta é a primeira a perder a umidade e a sua "traseira" ficava mais tempo com a umidade. A diferença no cultivo do toco de madeira inclinado poderá ser vista abaixo no exemplo da Encyclia.

Mais um exemplo, a sua frente seguia o leste e deixava a base circular.

Enfim, desisti destas práticas citadas acima. Se você conseguiu, parabéns!!! Deve ter alguma variante para driblar as leis naturais que envolvem este processo que ainda desconheço no cultivo das orquídeas em geral.

Até a próxima semana!


Formato do labelo bem interessante, o seu vegetativo nem tanto.
Primeira floração no Brasiliana.

Grobya amherstiae cultivada no vaso de plástico e musgo.
Soltou uma frente perto da borda do vaso e a haste floral no pseudobulbo antigo.
No próximo ciclo perderá as folhas e avançará mantendo estas condições.


Pholidota imbricata tem haste pendente com diversas flores

Destine altura livre para a floração pendente

Toco com pequena inclinação num cachepot de madeira sem substrato algum

Encyclia bracteata pendurada sob o Ficus