sexta-feira, 29 de julho de 2016

Mimetismo - parte 02

Nesta segunda e última parte sobre MIMETISMO


Na peça da esquerda da foto abaixo todas as conchas foram fixadas com a cavidade voltada para a parte superior dela. Deve ter algum motivo…



Já na concha da direita ocorre a camuflagem  que funciona como um disfarce, até parece pedaços de coral ou pedras do oceano. Passaria despercebida pelos mergulhadores. Não é considerado mimetismo, é considerada camuflagem.… a camuflagem, que se refere ao padrão de coloração e textura, que torna um organismo semelhante ao seu entorno, dificultando a sua detecção. Veja: https://pt.wikipedia.org/wiki/Mimetismo

Uau! Quem diria que há conchas e orquídeas com o mesmo processo físico de atração ainda não totalmente explicado pela ciência. Há sempre uma vantagem neste processo de mimetismo na natureza.

O mimetismo nas orquídeas ocorre como forma de atração do polinizador para a sua perpetuação através da reprodução da espécie. Há orquídeas terrestres na Austrália Ocidental, Europa, Reino Unido e outras localidades que possuem labelo que visualmente representam a vespa Thynnine fêmea, o inseto é atraído pelo seu odor, imitação do feromônio feminino exalado para a reprodução e visual, acaba saindo com a polínea na cabeça do macho e realizará a fecundação desta polínea na próxima flor. Curiosamente as fêmeas do inseto surgirão mais tarde e as orquídeas já teriam se beneficiado da polinização. Neste processo não há a recompensa alimentar, ou seja, a vespa é iludida pelas orquídeas Ophrys, chamada popularmente de orquídea abelha. Mágico, não?!?!?

https://pt.wikipedia.org/wiki/Mimetismo
                                                            
                                                           
Vejam este vídeo do Museu de História Natural




Este vídeo é do Smithsonian Channel 



Desta forma, estas orquídeas garantem a espécie através do mimetismo com função reprodutiva! 


Bom cultivo e fiquem de olho no mimetismo existente na natureza e nas orquídeas terrestres!

Mimetismo - parte 02

Nesta segunda e última parte sobre MIMETISMO


Na peça da esquerda da foto abaixo todas as conchas foram fixadas com a cavidade voltada para a parte superior dela. Deve ter algum motivo…



Já na concha da direita ocorre a camuflagem  que funciona como um disfarce, até parece pedaços de coral ou pedras do oceano. Passaria despercebida pelos mergulhadores. Não é considerado mimetismo, é considerada camuflagem.… a camuflagem, que se refere ao padrão de coloração e textura, que torna um organismo semelhante ao seu entorno, dificultando a sua detecção. Veja: https://pt.wikipedia.org/wiki/Mimetismo

Uau! Quem diria que há conchas e orquídeas com o mesmo processo físico de atração ainda não totalmente explicado pela ciência. Há sempre uma vantagem neste processo de mimetismo na natureza.

O mimetismo nas orquídeas ocorre como forma de atração do polinizador para a sua perpetuação através da reprodução da espécie. Há orquídeas terrestres na Austrália Ocidental, Europa, Reino Unido e outras localidades que possuem labelo que visualmente representam a vespa Thynnine fêmea, o inseto é atraído pelo seu odor, imitação do feromônio feminino exalado para a reprodução e visual, acaba saindo com a polínea na cabeça do macho e realizará a fecundação desta polínea na próxima flor. Curiosamente as fêmeas do inseto surgirão mais tarde e as orquídeas já teriam se beneficiado da polinização. Neste processo não há a recompensa alimentar, ou seja, a vespa é iludida pelas orquídeas Ophrys, chamada popularmente de orquídea abelha. Mágico, não?!?!?

https://pt.wikipedia.org/wiki/Mimetismo
                                                            
                                                           
Vejam este vídeo do Museu de História Natural




Este vídeo é do Smithsonian Channel 



Desta forma, estas orquídeas garantem a espécie através do mimetismo com função reprodutiva! 


Bom cultivo e fiquem de olho no mimetismo existente na natureza e nas orquídeas terrestres!

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Mimetismo - parte 01

Santa ignorância, a minha!

Não vejo a hora de saber mais sobre a causa e os efeitos do mimetismo nos seres vegetais e animais.
Este tema me interessou e fiz uma rápida pesquisa sobre mimetismo e as orquídeas. Pasmem!
Encontrei algo: Mimetismo consiste na presença, por parte de determinados organismos denominados mímicos, de características que os confundem com um outro grupo de organismos. 

Por exemplo o bicho-folha é confundido com a folha de determinada espécie de planta. Essa semelhança pode se dar principalmente no padrão de coloração, textura, forma do corpo, comportamento e para todas as características químicas, e deve conferir ao mímico uma vantagem adaptativa. Veja: https://pt.wikipedia.org/wiki/Mimetismo
Pesquisei sobre mimetismo após uma breve visita ao colega José Roberto Heise, um colega colecionador de conchas.

Ele me mostrou algumas da sua coleção até que mostrou estas da fotografia, curiosamente soube naquele momento que as conchas realizam mimetismo. Na concha da direita, ela possui apoios na sua própria estrutura. Já na concha da esquerda, ela provisiona pedaços para a sua estrutura a partir de outras conchas menores, vejam a escolha de tamanhos e a posição que cada uma ocupa na concha central.
                   
                                                                                 


As formas se modificam e a atração/escolha parece utilizar as peças que mais se assemelham fisicamente, aparentemente com a concha central viva ou que possa servir ao propósito na realização do mimetismo para um movimento funcional em relação à água ou na areia do fundo do mar.

Semana que vem tem a segunda e última parte do MIMETISMO

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Para um orquidário inteligente – Parte 02


Recursos disponíveis - parte 02


Empolgado com os recursos disponíveis para controle do seu orquidário, para que o mesmo se torne além de saudável, INTELIGENTE hoje postarei mais alguns detalhes que acredito serem primordiais!

http://s2.glbimg.com/8Kj1hCQJE51jiVCR30TNyF1eyz0=/695x0/s.glbimg.com/po/tt2/f/original/2015/12/14/1filme-de-cameras-antigas-queimavam-ao-entrar-em-contato-com-luz-direta.jpg


Venderei uma câmera seminova que havia comprado para tirar fotos das microorquídeas! Como não sou nenhuma profissional, descobri que a resolução da câmera do celular satisfaz os registros para histórico das pequenas e possui efeitos para postá-las (bem mais práticas que fotografar, baixar pro computador, redimensionar e postar na internet!)

http://guiadecompras.casasbahia.com.br/imagens/2013/01/foto-pelo-celular.jpg


O próximo passo é instalar um aplicativo para identificar a autoria das fotos, pois já vi um colega utilizando erroneamente uma foto que tirei da minha planta. Hehehe.

http://cdn.revistadonna.clicrbs.com.br/wp-content/uploads/2015/12/01tftmisstroca_al.jpg



Estações do ano (ATENÇÃO NESTE DETALHE)



Meu sócio me explicou a sua técnica utilizada por mais de 20 anos em etiquetar as suas orquídeas com etiquetas coloridas, e assim que me ofereceu, topei na hora. Hoje, registro corte e replantio de um lado, e floração de outro em cada planta. Sigo as cores:

Inverno = azul
Primavera = verde
Verão = laranja
Outono = amarelo

Dica que aprendi: Lixe com palha de aço nas faces das etiquetas plásticas, escreva com lápis! Durará muito mais além de facilitar a escrita.

http://clorominas.com.br/wp-content/uploads/2012/09/L%C3%A3.jpg


Com este procedimento, será feito o reconhecimento visual das plantas que devem florescer em cada estação do ano, daí a adubação e os cuidados para observação e separação delas das demais do orquidário.

Espero que tenhamos sucesso no cultivo das orquídeas! Lembrem-se que para um bom cultivo, cada clima, local e substrato devem ser considerados. O que é bom para um, nem sempre será suficiente para o seu orquidário.

Utilize a pesquisa e o bom senso.

sexta-feira, 8 de julho de 2016

Destaque do mês Neofinetia falcata variegata


Neofinetia falcata variegata



Ela é conhecida como orquídea cultivada pelos Samurais no Japão.

Variegata é denominada quando possui folha diferente que a espécie. Esta apresenta folhas amarelas com verdes, mas nunca imaginava que existisse orquídea variegata. Soube disso numa visita ao orquidário do meu amigo que me mostrou a planta que ele havia acabado de ganhar: a Neofinetia falcata variegata. Achei interessante, mas não fez a cabeça! Não considerei nada espetacular.

Dois anos se passaram e fui visitar o orquidário de um amigo falecido. Lá escolhi algumas plantas, vi muita coisa interessante juntamente com a família dele. Eu havia escolhido pela listagem divulgada, mas quando vemos a planta por completo: aspecto vegetativo, flores e o cultivo no local; acabou mudando a listagem das escolhidas, no lote veio a Neofinetia falcata variegata.

Ficou de quarentena como as demais. Dois meses se passaram e eis que vi uma haste. Deu aquela ansiedade. Separei do orquidário e ficou na mesa de floração, onde a rega é controlada sem afetar os botões ou as flores. A floração da foto durou cerca de 30 dias.

 

O mais impressionante nesta pequena é o branco nas flores e seu perfume suave, intenso, levemente adocicado que permanece 24 horas no ar, sem horário determinado. Percebam o tamanho e quantidade de flores em relação as folhas.

Apesar de ser considerada de fácil cultivo, eu já tive duas e acredito que não suportaram a baixa de temperatura e as raízes molhadas por muito tempo no musgo dentro do vaso de plástico. Digo isso, porque esta veio cultivada na cesta de madeira e as raízes expostas no substrato de drenagem rápida. É assim que vou cultivá-la, sem mudança alguma.

Ela gosta de bastante claridade. Li num site que não gosta de sol direto como outras orquídeas. Estou confiante porque ela está bem desenvolvida e possui cinco plantas centralizadas, então está forte e tem vários anos de vida. As raízes estão bem firmes na madeira.

Recomendo tê-la na sua coleção, sendo ou não variegata! O excepcional dela é branco e seu perfume inesquecível.